HepAids 2017 termina com premiação de trabalhos

HepAids 2017 termina com premiação de trabalhos

HepAids 2017 termina com premiação de trabalhos
Durante a solenidade de encerramento foram anunciados os vencedores nas categorias trabalho oral e pôster

Mais de 3 mil participantes, 95 sessões científicas e 2 mil trabalhos inscritos, sendo 240 aprovados e quatro premiados, estes são alguns números que resumem o 11º Congresso de HIV/Aids e 4º Congresso de Hepatites Virais – HepAids 2017, que terminou no último dia 29 de setembro, em Curitiba.

“A sensação é de trabalho cumprido, que só se percebe pela atuação coletiva de todas as pessoas que fizeram com que esse congresso acontecesse”. “O que nos move nessa empreitada é tentar fazer com que as pessoas sonhem um sonho que antes era só nosso”, destacou emocionada a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, durante a solenidade de encerramento.

Ao todo foram realizadas cinco conferências e simpósios, 25 experiências e práticas bem-sucedidas, quatro rodas de conversa e 56 mesas redondas e painéis.

PREMIADOS - Além do balanço das atividades do Congresso, durante a cerimônia de encerramento foram anunciados os trabalhos premiados nas temáticas do HIV/aids e das Hepatites Virais.  Os primeiros colocados na modalidade de trabalhos orais ganharam bolsa para custear a inscrição em congresso em âmbito internacional. Já os trabalhos premiados na modalidade pôsteres receberam bolsa para inscrição em congresso de âmbito nacional.

Na área de hepatites virais, o primeiro lugar na modalidade de trabalho oral foi Hepatite B em uma população encarcerada do sexo masculino no estado do Paraná, de autoria do Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida (Francisco Beltrão/PR). Na modalidade pôster, o trabalho premiado foi Ações intersetoriais para organização das linhas de cuidado dos portadores de hepatites virais: experiências, desafios e possibilidades, de autoria de Jacqueline de Aguiar Barros (Boa Vista/RR).

Já na temática do HIV/aids, a premiado na modalidade trabalho oral foi Ivone Aparecida de Paula (São Paulo/SP), com o trabalho Vamos fazer parcerias para potencializar a prevenção combinada e zero discriminação?. Na modalidade de pôster, o trabalho Perfil da resistência Perfil de resistência genotípica aos antirretrovirais em crianças e adolescentes que vivem com HIV em um hospital da região sul do Brasil, de Sofia Dahse Nunes (Palhoça/SC), foi o vencedor.

AGRADECIMENTOS - Ao longo da cerimônia de encerramento, Adele Benzaken convocou integrantes da equipe do DIAHV para subir ao palco. “Vale destacar, também, a coragem de quem trabalha conosco, de toda equipe do Departamento, que merece os aplausos”, acrescentou.

O Espaço Comunicação e a Vila Social também foram lembrados pela diretora do DIAHV. “Foram espaços dedicados as experiências da sociedade civil, parceiros que caminham conosco na busca por melhorias e avanços no trabalho de atenção ao HIV e às hepatites virais”, ressaltou.

 “Não há como conter a emoção, desde o início foi assim. Ao menos, neste momento, eu consigo me direcionar às pessoas, e comentar e agradecer pelo que foi feito. E que venha o próximo HepAids, daqui a dois anos”, encerrou Adele Benzaken.

Veja as fotos da cerimônia de encerramento no Flickr (link: https://www.flickr.com/photos/dstaidshv/sets/72157687120873454(link is external) 

 

Assessoria de Comunicação
Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais

Conheça também a página do DIAHV no Facebook:
https://www.facebook.com/ISTAidsHV

publicado em
18/10/2017 - 08:54